15 de junho de 2018

IMPUNIDADE CEM




Quatro meses de intervenção federal das forças armadas no Rio de Janeiro
Três meses do assassinato de Marielle Franco.
As forças federais foram chamadas para combater o que não tem combate. Mas vieram para o mis-em-scène, enquanto Marielle morreu de verdade. 
A polícia investiga. E quando vai investigar esbarra nos privilégios – sabe que daí não pode passar. 
O Gen. Braga Netto sabia que veio para lutar contra uma guerra sem sentido. Mas entrou dizendo que ia fazer e acontec
er. Não fez nada, a não ser barulho e provocar medo nas comunidades. Das “intervenções” pegava 3 fuzis, 15 trouxinhas, e na oportunidade, três ou quatro jovens negros, para dar um saldo “positivo”. As estatísticas sobre o crime só marcam diminuição por falta de combustível.
O Estado militar é assim: resolve que vai fazer a guerra e não importa como, nem contra quem. Há que cumprir ordens. Mesmo que as ordens sejam de um narcisista desequilibrado feito Temer. Mesmo que este desequilibrado, reconhecidamente um usurpador, seja protegido por um judiciário vergonhosamente comprometido com o golpe. Mesmo que o povo odeie o ditador, mesmo que agora, somente agora, a população tenha se dado conta (terá?) do quanto ela é racista e indiferente aos problemas mais prementes da sociedade, mesmo assim o Estado se mantém cego e surdo frente às urgências que precisam ser regulamentadas para dar, elas sim, apoio real e humanitário às vítimas, que são, em qualquer análise, parte da nossa população.
A legalização das drogas torna-se cada vez mais urgente. Não é assunto de segunda linha, não é para passar batida (porque há coisas mais importantes), não é do ramo do entretenimento. A legalização das drogas é a única esperança de menos mortes, menos guerra, menos corrupção na polícia, menos chances para os traficantes, menos penitenciárias – escolas do crime.
A legalização das drogas no Brasil é o primeiro passo para a paz na cidade, no País e o mundo. Há muito mais o que fazer do que invervir (também) na vida privada das pessoas, cidadãs como quaisquer outras.
E Marielle Franco? Marielle Franco ficará como uma brasileira sacrificada pelas máfias que pululam em legislativos que são mais um covil de bandidos do que um lugar de representação.
Ficará como uma morta que também era nossa, e não soubemos defender.
Infelizmente, a nossa cultura, hoje, é de ataque.

Nenhum comentário:

Postar um comentário