26 de setembro de 2018

LEGALIZAÇÃO OU MORTES

Que eu vou votar em Haddad e Manuela é certo. É uma questão de lealdade à democracia; de juntar os pedacinhos da Constituição e tentar a reconstrução de um país sem abusos.
Agora, lamento muito que nenhum dos candidatos apresente em seu programa um projeto para a legalização das drogas. Todos falam em segurança, e quando falam em segurança estão falando em repressão. Ninguém quer chegar perto do assunto. Têm medo do moralismo, do conservadorismo e da burrice. Preferem seguir na guerra.
E todos sabemos contra quem é a repressão. Sabemos que o modelo fracassou e que é preciso tentar outra coisa. Sabemos que cada vez mais gente fuma e qual o tratamento dado a brancos e negros, ricos e pobres. Sabemos que cada vez mais países se organizam para tornar o plantio uma atividade produtiva e saudável e curativa, além de lucrativa.
Lamento muito que prossigamos nesta política de "combate" às drogas, sabendo muito bem a quem estamos protegendo, quem são os nossos policiais,quem são os nossos juízes e a quem interessa a proibição.
Agora vem o Meirelles dizer que vai liberar a maconha. Ó surpresa, mas vindo dele, é uma daquelas piadas que a gente faz no auge do desespero.
Vai embora Meirelles. Ninguém te chamará.
E aos presidenciáveis, que revisem seus programas. Quem ignorar a necessidade da legalização está autorizando a morte como rotina. E já temos mortes demais.


...

PONTO DE POESIA

e informações. Por duas horas estaremos nesse outro mundo, de fruição da poesia, como devotos, limpando nossa mente de informações inúteis, elevando os sentidos para a produção poética universal.
Em todas as terças de outubro, às 20 horas, dois poetas convidados lerão seus poemas. Em seguida, o palco será aberto para mais três poetas da plateia: quem quiser mostrar a sua poética deve se inscrever tão logo chegue ao evento para participar do sorteio.
Assim, o PONTO DE POESIA pretende ser não apenas mais um encontro de poetas consagrados, mas também um espaço democrático e aberto a novas leituras.

19 de agosto de 2018

IMAGENS FALSAS

É lamentável como as mulheres, enfrentando qualquer risco, entregam-se às mãos de cirurgiões ou trambiqueiros para modificar-se, para tentar mais beleza, para vencer o tempo, para viverem mais uma ilusão de que durarão mais se forem mais belas. Iludidas quanto ao tempo, que não pára, não poupa nem perdoa.
Uma a uma foram mordendo as iscas das indústrias farmacêuticas e de cosméticos, e entregando-se às cirurgias para "corrigir" isso ou aquilo, que não combinava com o modelo. Qual modelo? Um modelo ditado pelos capitães da moda, que resolvem o que é preciso para fazer jus a um lugar na passarela? Qual passarela? Da homogeneidade. Da cópia mil vezes reproduzidas que transformou mulheres bonitas em criaturas bizarras, parecidas entre si, garotas bem proporcionadas em mulheres estranhas, senhoras de 60 em ex-mulheres de 30. Não percebem que isso é mais uma forma de dominação, que se estende ao corpo de cada uma e a vaidade fortalece.
Fodam-se as características pessoais. A ditadura da moda não quer saber se aquele nariz era tão parecido com o de sua mãe, que os seus cabelos crespos eram belos e livres e agora parecem uma vassoura; que as bocas, as sedutoras bocas têm hoje o mesmo traço e modificam o rosto.

Há quanto tempo? Dez, vinte (?) anos começou a loucura. Meninas de 18 anos querendo fazer cirurgia nos seios, aumentando-os, diminuindo-os, modificando-os. Aos 18! Meninas de classe média, mimosas e mimadas mandando olhares e súplicas aos pais. Por favor, papai! E lá vão os papais acompanhar (e pagar) as despesas da filhinha em cirurgias que, infelizmente, às vezes não dão certo. Também as mais pobres entraram no negócio e talvez até com mais apetite. Endividam-se para isso, enganam-se com isso.

Quando se pensa que a mulher está no caminho da independência do mundo masculino, eis que ele se apresenta, tão possível, tão promissor, tão mau como sempre foi.

E não são só as mulheres. Os homens (alguns homens) presas da vaidade e do amor pelo poder modificaram sua imagem, tornaram-se não sei que bicho estranho que impede até de que sejam reconhecidos. Mas penso que mesmo que tenham aderido à farsa das aparências perdem para as mulheres. Perdem feio.

Sei que cairão em cima de mim as mulheres que se deram ao direito de serem outras. Posso entender. Cada uma tem seus desejos. E dinheiro para pagá-los. Além do dinheiro, até com a vida.

31 de julho de 2018

A ELEITA



Carente de eleições, resolvi fazer uma, só eu como eleitora, e alguns nomes (poucos) como candidatas. 
A minha candidata, no entanto, bateu todas. Nasceu grande. E destemida. Durante toda a vida observou (e sentiu) o preconceito que até hoje neutraliza a obra das mulheres. Nasceu poeta e contestadora.
Há muitas mulheres poetas, casadas, que ficam toda a vida na sombra do marido. Vai-se ver, a poesia delas é maior que a deles, a quem também aplaudem. Há inúmeros exemplos disso. 
A minha eleita não se casaria com um homem assim. O seu companheiro, Afonso Felix de Sousa, era um homem de verdade, além de grande poeta, e a estimulava, escreviam poesia e trabalhavam juntos em traduções, em alguma época necessárias frente às durezas do regime militar, ao qual se opôs na primeira hora.
Por sua obra vária e prolífica, por seu destemor e convicções, por sua luta, por sua sinceridade e modéstia, elegi-a como A Grande Dama da Poesia Brasileira. 
Autora de uma obra extensa, e na condição também de professora, domina a norma culta, de um jeito que se vai perdendo. Conhecedora da alta poesia, tem ali um espaço de liberdade que foi e ainda é estímulo e escudo para construir o seu mundo interior, ao mesmo tempo em que registra revolta com a iniqüidade, protesto e espanto com a injustiça.
Elegi, com o título de A GRANDE DAMA DA POESIA BRASILEIRA, a poeta  Astrid Cabral, não só pela extensa obra em poesia, prosa, ensaio, tradução e conhecimento, como por seu caráter íntegro e sua simplicidade. Seu livro recém reeditado, Transanteontem, que traz crônicas escritas Brasília, entre 67 e 68, é absolutamente imperdível, e é em acontecimentos aparentemente domésticos que a autora já demonstra suas convicções humanísticas. 
ASTRID CABRAL bate bonito vários nomes da Academia, no entanto não está lá. Já se sabe o porquê. 
Fiquemos com a sua sabedoria e os seus encantos. Astrid não privilegia clubes. Vai ao lançamento dos amigos, prestigia os novos, encanta-se com a convivência com os poetas e os ajuda em sua caminhada. Grande poeta, grande mulher, grande mãe. E sempre rejuvenescendo.

13 de julho de 2018

UNS FATOS QUE REGISTREI


MULHERES

I
Ele ordenou: “Não nesta cama”
Foram 17 anos sem poder deitar
na cama de casal
sem soutien


II
Descobriu que tinha sido molestada
quando viu na televisão o que era
Já tinha 82.
Mesmo assim chorou


III
Até que um dia
quando ele dormia
enfiou-lhe no ouvido a agulha
e ficou ali, ouvindo
até que tudo se calasse


15 de junho de 2018

IMPUNIDADE CEM




Quatro meses de intervenção federal das forças armadas no Rio de Janeiro
Três meses do assassinato de Marielle Franco.
As forças federais foram chamadas para combater o que não tem combate. Mas vieram para o mis-em-scène, enquanto Marielle morreu de verdade. 
A polícia investiga. E quando vai investigar esbarra nos privilégios – sabe que daí não pode passar. 
O Gen. Braga Netto sabia que veio para lutar contra uma guerra sem sentido. Mas entrou dizendo que ia fazer e acontec
er. Não fez nada, a não ser barulho e provocar medo nas comunidades. Das “intervenções” pegava 3 fuzis, 15 trouxinhas, e na oportunidade, três ou quatro jovens negros, para dar um saldo “positivo”. As estatísticas sobre o crime só marcam diminuição por falta de combustível.
O Estado militar é assim: resolve que vai fazer a guerra e não importa como, nem contra quem. Há que cumprir ordens. Mesmo que as ordens sejam de um narcisista desequilibrado feito Temer. Mesmo que este desequilibrado, reconhecidamente um usurpador, seja protegido por um judiciário vergonhosamente comprometido com o golpe. Mesmo que o povo odeie o ditador, mesmo que agora, somente agora, a população tenha se dado conta (terá?) do quanto ela é racista e indiferente aos problemas mais prementes da sociedade, mesmo assim o Estado se mantém cego e surdo frente às urgências que precisam ser regulamentadas para dar, elas sim, apoio real e humanitário às vítimas, que são, em qualquer análise, parte da nossa população.
A legalização das drogas torna-se cada vez mais urgente. Não é assunto de segunda linha, não é para passar batida (porque há coisas mais importantes), não é do ramo do entretenimento. A legalização das drogas é a única esperança de menos mortes, menos guerra, menos corrupção na polícia, menos chances para os traficantes, menos penitenciárias – escolas do crime.
A legalização das drogas no Brasil é o primeiro passo para a paz na cidade, no País e o mundo. Há muito mais o que fazer do que invervir (também) na vida privada das pessoas, cidadãs como quaisquer outras.
E Marielle Franco? Marielle Franco ficará como uma brasileira sacrificada pelas máfias que pululam em legislativos que são mais um covil de bandidos do que um lugar de representação.
Ficará como uma morta que também era nossa, e não soubemos defender.
Infelizmente, a nossa cultura, hoje, é de ataque.

31 de maio de 2018

SOCORRO, URUGUAY!


SOCORRO, URUGUAY





SOCORRO, URUGUAY


Para quem não sabe, há muitos anos um uruguaio mantém uma barraca na praia de Ipanema.
Hoje, ao chegar à praia, vi tremular, não muito longe, a azul e branca.
Me deu um aperto no peito, engoli em seco, mas os olhos teimaram em chorar e eu me entreguei. Sol a pino, mar azul, e eu ali chorando porque a gente não é como eles, e nunca será.
Tive vontade de andar até lá e cumprimentar o uruguaio. Talvez num aperto de mão viesse uma centelha que acordasse o Brasil.
Depois pensei: Não. Não vou lá revelar nossa vergonha. Não vou lá reconhecer que o Brasil está de joelhos enquanto o vizinho faz tremular, na nossa praia, orgulhosa, a bandeira celeste da democracia.

...